Ciro de Oliveira Machado
Referência:
FED prevê recuperação no 2º semestre
Dirigente do Banco Central americano na Filadélfia acredita que a economia do país mostrará melhor ritmo de crescimento no 2º. semestre de 200l...
Diário do Comércio 23/05/2001


20/06/2001

Nossa Opinião

Não é usual eu não ter o que fazer... Mas neste momento eu não tenho. Estou próximo dos sessenta anos e não tenho problemas econômicos nem sentimentais mas o motivo de todos os meus interesses parece ter-se esfumado, deixando a mim, ávido por agir, tristemente inoperante.
A vida pesa muito quando você não tem objetivos ou apenas objetivos inalcançáveis. E meu objetivo maior parece inalcançável.

...

Vamos falar sobre meu objetivo maior, que é um esforço para mudar o mundo. Como se vê, de "facílima" execução.
Muito trabalho intelectual, livros, website, cartas, palestras, artigos, tudo. Enquanto durou a ação de propaganda de meu trabalho, meu entusiasmo foi total. Mas não consegui meu objetivo. O mundo não tomou conhecimento de minhas propostas... Então parei.. e recomecei... e parei.. e recomecei... e assim por diante... Agora estou na fase parada ...

...

Parece que a péssima economia de hoje está se equilibrando sobre o fio de uma navalha. O mundo está anestesiado, nem mesmo as mensagens em defesa de um mundo bem melhor são registradas. O processo continua, o desemprego está causando mais desemprego, temos fome, corrupção, violência pública e privada. O mundo permanece como um zumbi, exangue mas sem nenhum sentimento, reclamando apenas das coisas e dos homens errados, torcendo para que os ares de amanhã acabem com a depressão de hoje e que todos voltem a mudar de vida, fato esse que bem atesta seu grau de inconsciência...
E uns poucos, 0,000000...1% da humanidade permanecem no controle irresponsável das finanças mundiais...

...

Falar que os poucos controladores irresponsáveis das finanças mundiais estão jogando suas últimas cartadas, já venho falando a anos. Estou cansado. Preciso dormir para que durante o sono profundo, possa minha mente se retemperar e continuar na espera do que parece ser inalcançável...

...

Será que o destino da economia do mundo está traçado? Vamos, necessariamente, viver num mundo bem melhor?

Tenho uma forte convicção de que isto ocorrerá, independentemente das ações dos homens. As ações dos poucos controladores irresponsáveis das finanças mundiais, por mais efetivas que sejam, não poderão impedir isso. Porque?
Porque o capitalismo vive em função de seus lucros. Acabe com os lucros, faça a empresa sofrer prejuízos e o capitalismo cairá como um castelo de cartas.
E é isso, neste começo de milênio, que estamos presenciando.

...

Tivemos no século XX, até a década de 70, um capitalismo inversionista, de distribuição dos seus produtos para todo o mundo. Hoje não. Hoje temos um capitalismo voltado ao próprio capitalismo, um capitalismo contra o mercado, um capitalismo de robotização e de informatização globalizadas, um capitalismo de exploração de locais e mão de obra do terceiro mundo a cata de custos mais baratos, de megafusões de empresas, para as quais duas empresas podem muito bem serem substituídas por apenas uma, não importa quantos empregados possam ser demitidos e é lógico, por aumentos de preços provocado por estas oligopolizações... Não existe nenhum poder moderador...
Mas o que as empresas não sentem é que caem os lucros provocados pela diminuição da produção, pelo aumento dos preços, pelo aumento das dívidas dos consumidores em relação às empresas e em relação aos bancos do sistema e pela perda dos consumidores demitidos (sem que haja qualquer novo emprego para aqueles que comparecem pela primeira vez ao mercado de trabalho).

Como conseqüência disso, diminui a riqueza dos acionistas, caem os preços das ações e as bolsas amargam baixas em cima de baixas, porém com certas subidas nos intervalos, subidas de conveniência, para provar aos acionistas que nem tudo está perdido, subidas essas provocadas pelos controladores irresponsáveis das finanças mundiais.


Como podem, esses controladores irresponsáveis das finanças mundiais, influir neste processo?
É que esses indivíduos operam com o controle total da liquidez mundial e estão voltados para o mercado de futuros e opções. Dispõe de uma liquidez dezenas de vezes maior do que toda a liquidez necessária para a operação das bolsas de ações de todo o mundo.
E fazem o quê, com essa incrível quantidade de dólares?
Jogam!!! E também controlam, principalmente, as cotações das bolsas de ações, de cujo resultado provêem os lucros de seu jogo!

Como é o jogo?
É um jogo de opções, por exemplo, se a bolsa de Nova Yorque, ou a Bolsa de São Paulo, irá subir ou descer em determinado dia do mês... Se acertarem, ganham bilhões de dólares, se não acertarem, perdem bilhões de dólares, tanto na subida, como na descida.

E jogam contra quem?
Contra eles próprios, os mais sabidos do planeta, e também contra todos aqueles irresponsáveis de fora, que entram neste jogo para perder!

Mas se eles controlam as cotações das bolsas de ações, o jogo é fraudado!

Sim, é jogo fraudado. É jogo mantido pela moeda não neutra, pela brutal multiplicação dos dinheiros depositados nos bancos internacionais. É jogo que se define pelas subidas (quando eles investem milhões de dólares) ou descidas (quando eles não investem) das cotações, mesmo se as cotações apresentarem uma tendência a forte queda...

E isso vai continuar até quando?

Segundo eles, por tempo indefinido...
Segundo nós, pelo tempo necessário até que os acionistas cheguem à real consciência de que a cotação de suas ações irá cair mesmo, pelo fato das empresas estarem amargando prejuízos em cima de prejuízos.

O que os poucos controladores irresponsáveis das finanças mundiais podem fazer para prorrogar este desenlace?
Que tal perdoar dívidas de governos, empresas e consumidores, jogar dinheiro de avião por todo o mundo, conquistar outro planeta levando os dólares a ele etc.?
Enfim, aguardemos o próximo capítulo, pois os controladores irresponsáveis das finanças mundiais ainda devem ter muitos coelhos na cartola...

Porém, havendo o desenlace, teremos uma forte inflação no mercado norte-americano.
Na medida em que o mercado não permita que haja o risco da subida nas cotações de ações, na medida em que todas as ações despenquem, os detentores de dólares em papel moeda, cuja quantidade é brutal, devido ao fato dos Estados Unidos serem os maiores devedores do mundo em transações correntes (e não havendo quem aceite os dólares em transações internacionais) irão ao mercado americano comprar tudo o que de disponível haja, tipo ouro, diamantes, quadros e até um bom estoque de coca-cola, gerando uma enorme inflação. E, na falta de uma moeda internacional, na falta de quem compre as mercadorias exportáveis, o mundo cairá no caos... Porém será um caos bastante rápido, pois aí entraremos com "A Nova Economia Política" e esperamos sermos ouvidos.

...

É nisso que eu penso. Aí está meu objetivo que parece ser inalcançável. Ou será alcançável? Quero colaborar na mudança do mundo e não posso... Ou posso? Já tenho uma nova teoria absoluta para apresentar ao mundo: "A Nova Economia Política e a moeda neutra de desenvolvimento". Uma teoria visionária que lembra o renascimento da fênix. Uma teoria que realmente leve o mundo a ter um futuro bem melhor... Uma teoria que será, necessariamente, escutada por todos e para a qual todos se inclinarão...

Mas isto é desdizer tudo o que foi dito no início deste comentário!
Será que voltarei, novamente, a recomeçar toda a propaganda de "A Nova Economia Política"?

Sei que os responsáveis pelo caos serão, apenas, os controladores irresponsáveis das finanças mundiais.

Caos que, quando chegar causará severos danos a todos como um rio caudaloso, inclusive àqueles poucos cujo destino inevitável pode ser, de modo figurado, expresso como um dia disse Buda:

"Que tal eu me sentar às margens do rio até ver passar suas cinzas!"




Ciro de Oliveira Machado